Gastronomia

Que falta faz um mercado municipal em Niterói

mercado municipal do rio de janeiro

Nessas últimas semanas, estive fazendo uma pesquisa sobre mercados municipais brasileiros. Sou apaixonado! Não só pelos nossos, mas pelos gringos também. Onde quer que eu vá, sempre incluo nos meus roteiros um dia dedicado a um mercado. São nesses espaços incríveis, efervescentes e coloridos que você, em poucos instantes, se vê mergulhado na cultura local, imerso em cheiros, sabores, texturas, enfim, na essência do lugar que se está visitando.

Foi-se o tempo que os mercados municipais serviam apenas como entreposto de alimentos. Hoje, eles tornaram-se pontos de encontro e atração turística onde é possível encontrar não só verduras e legumes, mas também cafés, bares, restaurantes, delicatessens, lojas de artesanato, utensílios culinários… fora a sua importância histórica, arquitetônica e cultural! Ufa!

mercado de são pedro niterói
Crédito da imagem

Porém, toda essa empolgação dá lugar à decepção quando olhamos para dentro de casa e lembramos que tanto Niterói quanto a nossa capital, o Rio, não têm um mercado municipal. Sim, o nosso Mercado de São Pedro é um orgulho local e referência em pescados e frutos do mar. Sim, a Cadeg, na capital fluminense, é um espaço fantástico e programa certeiro para o fim de semana. Mas, de fato, não temos um mercado municipal tal como se vê em outras capitais: são pontos turísticos, localizados em regiões centrais, abrigados em construções históricas, com atividades culturais intensas…

mercado municipal do rio de janeiro
Crédito da imagem

No Rio, o Mercado Municipal da Praça XV foi inaugurado em 1903 e funcionou até os anos 60, quando foi demolido para a construção da Perimetral. Já em Niterói, o antigo Mercado Municipal foi inaugurado em 1930, na Praça Renascença, perto do porto. Foi desativado nos anos 70, mas sua estrutura ainda permanece de pé, porém, abandonada.

mercado municipal de niterói
Crédito da imagem

Em 2011, a prefeitura iniciou um processo de reativação do espaço, tendo o sucesso do Mercadão de São Paulo como inspiração. O projeto era ambicioso e incluía também lojas, floricultura, estacionamento, bares… mas, pelo visto, nunca foi adiante. Perde a cidade e perdem os turistas, empreendedores, agricultores, pescadores, enfim, perdemos nós a oportunidade de restabelecer um espaço que reflete as nossas raízes e define a identidade não só de Niterói, mas de toda a região leste fluminense e do interior do estado.

Author: Guilherme Mattoso

Guilherme Mattoso é jornalista, pós-graduado em Ergodesign de Interfaces e em Gestão Estratégica de Marketing Digital. É entusiasta da web, trendwatching e especialista em conteúdos sobre agricultura familiar e sustentabilidade. Assina também o blog Caipirismo, com foco em temas como agroturismo, gastronomia, nova ruralidade e práticas sustentáveis.

2 Comments on “Que falta faz um mercado municipal em Niterói

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *