Voz da Experiência

Pequenos Aeroplanos & Grandes Voos

Mais do que um passatempo, Luiz Carlos Abi-Ramia, 74, aposentado da Controladoria Geral da União e Jayme de Quintanilha Lopes, 73, bancário aposentado do Banco Real, fazem do aeromodelismo um esporte que praticam há mais de 40 anos nos finais de semana e feriados. Encontrei-os numa caminhada pelo calçadão da praia de Charitas junto a um animado e solidário grupo de aficionados pelos belos e arrojados aeromodelos.

– Somos mais de 50 participantes e cerca de 30% deles estão na faixa etária entre 45 e 50 anos. Desde a década de 70, quando construíamos nossos próprios modelos e fazíamos exibições em São Gonçalo, na área onde hoje está instalado o pedágio da Estrada de Manilha, venho acompanhando o crescimento e especialização deste grupo, diz Abi-Ramia com um misto de saudade e orgulho.

​Luiz Carlos Abi-Ramia e seu modelo "Shottinho" em 1975
​Luiz Carlos Abi-Ramia e seu modelo “Shottinho” em 1975

Assistindo as manobras dos aviões, helicópteros e drones, algumas radicais com mergulhos e rasantes, perguntei-lhes se ocorriam acidentes e como sentiam-se os pilotos quando isso ocorria, já que seus “brinquedos” possuem um considerável custo agregado.

– Quando os mais experientes percebem que os novatos estão em apuro de manobra com seus aeroplanos, assumimos o comando remoto trimando o modelo para evitar uma queda e consequentes danos aos seus preciosos protótipos. – Deixar cair uma aeronave é uma derrota para o piloto e por isso procuramos preservar esse moral, ressalta Lopes com seu espírito socialmente correto.

Da esquerda pra direita: Antonio Carlos Schott, Jayme Lopes, Roderick e agachado Wiliam. 1979, Réplica do JUMBO 747
Da esquerda pra direita: Antonio Carlos Schott, Jayme Lopes, Roderick e agachado Wiliam. 1979, Réplica do JUMBO 747

Agucei minha curiosidade sobre o local escolhido e as dimensões adequadas para uma boa prática de pilotagem, já que o terreno da praia de Charitas mostrava­-se irregular com vegetação alta para uma pista perfeita de decolagem e aterrizagem dos aeromodelos. Lopes e Abi-Ramia descreveram que uma boa pista, com segurança para os modelos, teria que ter 150 m de comprimento por 6 m de largura e um piso nivelado, mesmo que somente no saibro. Destacaram as pistas de Nova Friburgo e Teresópolis e a de Fortaleza no Ceará que possui um formato de “Y”.

Abi-Ramia com drone e Lopes, fevereiro 2016, Charitas
Abi-Ramia com drone e Lopes, fevereiro 2016, Charitas

Ao fim da conversa, eu estava convencido de que aquele hobby não era somente uma brincadeira de adultos, mas uma excelente terapia pessoal e de grupo, pois melhor do que os pequenos aeroplanos são os grandes voos que eles dão ao espírito dos pilotos.

aeromodelo
aeromodelo

One Commnet on “Pequenos Aeroplanos & Grandes Voos

  1. É muito bom ver os amigos praticando um hobby muito mais que saudável .Ele se inicia na segunda feira e só termina no por do sol de domingo.
    Parabéns aos aeromodelistas de Charitas e que o espirito do aeromodelismo se espalhe cada vez mais!
    Marcos Gusmão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *